Connect with us

Sociedade

Conflitos familiares: reações causadas pelo contato diário durante a pandemia

Publicado

Especialista ressalta a importância da comunicação e da consideração ao próximo em contexto de relações interpessoais em casa

Imagem: Pexels

Umas das principais medidas de prevenção contra a pandemia causada pelo novo Coronavírus, o distanciamento social e a quarentena, desencadearam vários conflitos no convívio familiar. Tais discordâncias de interesses particulares são resultados de efeitos psicológicos, influências e, em alguns casos, instabilidade financeira.

A coordenadora do Curso de Psicologia da Estácio, Suely Faria, frisa que o contexto crítico causado pela Covid-19 aumentou a tensão entre as pessoas. “Algumas situações evidenciadas expõem a discordância entre opiniões, desejos e objetivos, alterando a comunicação no contexto íntimo e familiar. Devemos considerar que alguns choques de sentimentos são causados por consequências da pandemia como o desemprego, diversas instabilidades (financeira, emocional), efeitos psicológicos no enfrentamento da morte e separações influenciam na ocorrência dos conflitos”, destaca.

Diante das reações conflitantes do dia a dia, todos são afetados negativamente, o que resulta na busca de auxílio de profissionais de todas as áreas. “Historicamente crianças, mulheres e pessoas com alguma doença ou deficiência são os mais vulneráveis”, afirma a especialista.

Suely alerta ainda sobre as estratégias que devem ser colocadas em prática durante a convivência social. “Em um ambiente plural, a comunicação realizada de forma clara estabelece uma conexão direta, evitando duplos entendimentos. É de suma importância que, nessas situações, sejam postas em pauta a empatia, o respeito pelo próximo e a compaixão”, frisa.

Em um cenário desafiador, vale ressaltar que a família se comporta como um grupo com costumes, história e objetivos que a distingue de outras famílias. Portanto, a percepção da diferença não está voltada somente para fora, para a sociedade, mas o outro que está ao meu lado. Em sua maioria, os conflitos ocorrem durante rotinas em espaços de convivência social, sejam em horários de alimentação, home office, atividades sociais e até mesmo em ambientes de estudos.

A comunicação efetiva e não violenta é fundamental no desenvolvimento das habilidades sociais, e mediar conflitos é uma tarefa dos membros de um grupo, logo da família. “Conflitos podem ser solucionados antes que se cheguem a casos extremos”, destaca Suely.

Em casos de ameaças à integridade física e psicológica, é recomendado acionar os canais institucionais de denúncia, como o disque 100 e o 190, os Conselhos Tutelares e da Comunidade, além dos demais serviços de segurança e saúde pública. “Ausência de conflito não significa felicidade. Freud nos apresenta a importância que atribuímos à felicidade como uma condição essencial à vida. Olhando por essa perspectiva, devemos ser razoáveis e compreender que as necessidades são individuais e distintas”, complementa a coordenadora da Estácio.

Continue Reading
Deixe seu comentrio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 Elo Jornal. Todos os direitos reservados. contato@elojornal.com.br

X