Connect with us

Saúde

40% dos Brasileiros sofrem de bruxismo sem saber

Publicado

Isolamento social pode ser considerado como agente potencializador

Foto: Reprodução | Internet

O bruxismo é um hábito involuntário no qual a musculatura da mastigação encontra-se em estado de hiperatividade e, por isso, a mandíbula se mantém em posição que permite o contato constante entre os dentes. Tais movimentos mandibulares promovem o ranger dos dentes, que normalmente acontece durante o sono, mas que podem acontecer também ao longo do dia pelo movimento de apertamento dentário.

A coordenadora da UNINASSAU Natal e odontóloga, Debora Mercez, explica que independente da forma como se apresenta, o bruxismo deve ser acompanhado por um profissional da área odontológica, já que sua continuidade pode levar a desgastes da estrutura dentária devido ao atrito entre os dentes em momentos em que este contato dentário não deveria ocorrer.

“Não existe consenso sobre o que leva um indivíduo a desenvolver o hábito, mas todas as teorias convergem sobre o caráter multifatorial, ou seja, diversos fatores podem contribuir para o surgimento dessa desordem funcional. Dentre estes fatores, a literatura é unânime em evidenciar o papel do estresse emocional como agente causador ou mantenedor do bruxismo”, pontua.

Em meio à realidade da pandemia que vivemos atualmente é praticamente impossível que alguém não se encontre em situação de estresse emocional. Muitos estudos vêm sendo desenvolvidos na área, com o objetivo de comprovar que o aumento do hábito de ranger os dentes, em tempos de isolamento social, é devido a situação de ansiedade e incerteza que o momento traz. “O isolamento social e a necessidade de se manter em casa o máximo possível podem ser fatores que colaboram para o aumento do estresse emocional. Situações que alteram a rotina de uma pessoa, por exemplo, uma viagem e mudança de domicilio, também podem influenciar”, ressalta Debora.

De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 30% da população mundial é acometida por bruxismo e tanto adultos como crianças podem desenvolvê-lo. No Brasil, esse número pode chegar a 40%. A classe odontológica acredita que a força aplicada durante o ranger os dentes é maior que a da própria mastigação, tendo assim um grande potencial danoso. Muitas vezes, o indivíduo não tem consciência do hábito até que alguém da sua convivência, normalmente maridos ou esposas, relate a escuta do barulho característico do contato entre os dentes durante a noite.

Como condição de origem multifatorial, a doença ainda não possui cura. Os tratamentos buscam melhoria da condição no sentido de estabilizar a posição mandibular para controlar a hiperatividade muscular e minimizar os danos causados aos dentes e aos tecidos de suporte. Além disso, o próprio indivíduo deve fazer o controle das causas que conhecidamente levam ao desenvolvimento do hábito, sendo parte fundamental da terapia a colaboração do paciente no sentido de tentar evitar situações que levem ao aumento da ansiedade e estresse emocional.

Os tratamentos disponíveis atualmente podem incluir o uso de medicamentos ansiolíticos, relaxantes musculares e/ou analgésicos, placas oclusais (dispositivos intraorais), aplicação local de toxina botulínica para diminuir a atividade muscular, fisioterapia e acompanhamento psicológico, além do acompanhamento periódico com profissional da Odontologia.

Continue Reading
Deixe seu comentrio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 Elo Jornal. Todos os direitos reservados. contato@elojornal.com.br

X