Connect with us

Esporte

O meu, o seu, o nosso Pacaembu: 80 anos de um patrimônio

Publicado

Há exatos 80 anos era inaugurado o Estádio Municipal do Pacaembu, na voz de Edson Sorriso “o meu, o seu, o nosso Pacaembu”. Expressão arquitetônica do projeto de poder do Estado Novo de Getúlio Vargas, o estádio logo assumiu um papel importante na vida da cidade de São Paulo servindo como centro das alegrias futebolísticas das grandes torcidas paulistanas, mas também como ponto de encontro para manifestações políticas, cultura e lazer e no momento da mais grave pandemia do século, um hospital de campanha para pacientes da Covid-19

(Foto: Wikimedia Commons / Domínio público)

Se o Pateo do Collegio é o berço da cidade de São Paulo, o Pacaembu é o berço do futebol paulista. A metrópole cresceu em torno da capela erguida pelos Jesuítas e o estádio viu florescer grandes craques e camisas.

Um vale que convidava para uma pelada desde quando os habitantes eram os índios, hoje, tem um gigante de concreto que é patrimônio cultural e histórico, uma praça que carrega o nome do responsável por apresentar o esporte bretão ao Brasil, Charles Miller, guarda o Museu do Futebol e é a galeria de memórias de quem já gritou por seu time do coração nas arquibancadas do Paulo Machado de Carvalho.

(Foto: Carlos Ebert / Ludopédio / Reprodução)

O ano era 1940, o dia, 27 de abril, foi quando a cidade de São Paulo recebeu como presente o que seria, naquela época, a mais moderna praça esportiva da América Latina: o Estádio Municipal do Pacaembu.

Situado numa baixada que parece ter sido projetada pela natureza para abrigar um estádio, pois tem um vale cercado por morrotes que lembram um campo cercado por arquibancadas, a estrutura surgiu de um ambicioso projeto do então interventor federal do estado de São Paulo, Ademar de Barros, em seu segundo ano de mandato.

Além de abrigar jogos de futebol, a prática esportiva crescente no gosto popular do brasileiro, nos idos anos 1940, a ideia era também proporcionar um local para receber apresentações musicais como as de sinfonias. Por isso, o projeto original contava com a famosa Concha Acústica, que reverberava o som e fazia das arquibancadas uma grande plateia.

Desde a inauguração, o Pacaembu se tornou um importante espaço de discussão e manifestação política de São Paulo, já na cerimônia que inaugurou o estádio, Getúlio Vargas, foi fortemente vaiado pelos paulistas que eram contra o Estado Novo, regime recém instaurado pelo ditador que chegou ao poder depois de um golpe.

Junto ao prefeito Prestes Maia e o interventor Ademar de Barros, Getúlio Vargas comandou um conjunto de grandes obras públicas na cidade de São Paulo que foram inauguradas no início dos anos 1940. Datam da mesma época do Pacaembu, as inaugurações da Biblioteca Municipal e a Ponte das Bandeiras.

Contra o ditador gaúcho, porém, pesava a mágoa do povo paulista pela derrota do movimento revolucionário constitucionalista de 1932, que foi reprimido pelas forças federais.

Por conta disso, as bandeiras paulistas eram proibidas pela ditadura, mas na entrada da delegação do São Paulo, lá estava a bandeira do estado de São Paulo no gramado do Pacaembu, exposta na cara de Getúlio Vargas, que acompanhava a cerimônia das tribunas.

No dia seguinte à inauguração, o estádio sediou sua primeira competição, a Taça Cidade de São Paulo, um campeonato amistoso que reuniu quatro clubes: Palestra Itália (atual Palmeiras), Corinthians, Coritiba e Atlético Mineiro.

Palestra Itália e Coritiba fizeram o jogo inaugural. O Alviverde paulista goleou o paranaense por 6 a 2 e se classificou para a decisão na semana seguinte, contra o arquirrival Corinthians, e marcou o nome do Palmeiras na história como o primeiro campeão do Pacaembu.

Quando o Brasil foi anunciado como sede da Copa do Mundo de 1950, São Paulo pulou na frente por ter um dos melhores estádios do mundo na época. Mesmo depois de 10 anos da inauguração, o Pacaembu continuava sendo referência de modernidade e conforto.

Havia sido construído o Maracanã no Rio de Janeiro, que assumiu o posto de maior estádio do planeta, mesmo assim, foram disputados seis jogos do Mundial no Pacaembu. Três da fase de grupos e três da fase final. A Seleção Brasileira fez um jogo no estádio durante aquela Copa e empatou em 2 a 2 com a Suíça.

Em 1961, o estádio, que até então se chamava Estádio Municipal, recebeu a adição do nome Paulo Machado de Carvalho, que ostenta até hoje em sua clássica faixada. Isso se deu por uma homenagem ao chefe da delegação brasileira na Copa do Mundo de 1958.

Paulo Machado de Carvalho foi o homem que liderou o projeto brasileiro do Mundial de 1958, quando, pela primeira vez na história, a Seleção foi preparada para a disputa do título inédito. O dirigente também foi o responsável pela escolha do azul como segundo uniforme brasileiro para a final da Copa, já que a Suécia usava amarelo como o Brasil.

Temendo uma — perdão pelo trocadilho — “amarelada” pela superstição dos jogadores, doutor Paulo, como era conhecido pelos atletas, disse que havia sonhado com Nossa Senhora Aparecida e que a santa lhe pediu para que os jogadores usassem azul, a cor do manto da padroeira do Brasil. Chefe também na delegação de 1962, no bicampeonato mundial, ele ganhou o apelido de Marechal da Vitória.

No final da década de 1960, a Concha Acústica passou a ser considerada um problema para o estádio, que já não comportava o público que queria assistir aos jogos no tradicional gramado.

Com a justificativa de aumentar a capacidade do local, a Concha foi demolida e no lugar foi erguido o Tobogã, o que rendeu cerca de mais 10 mil lugares, assim, a capacidade total subiu para 37.952 lugares. A obra aconteceu durante a gestão de Paulo Maluf à frente da prefeitura de São Paulo e é contestada até hoje por ter descaracterizado um patrimônio arquitetônico da cidade.

Para evitar novas intervenções danosas à arquitetura do Pacaembu, em 1994, o estádio foi tombado como patrimônio histórico da cidade e do Estado. Também foi tombado pelo Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico (Conpresp) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico (Condephaat).

Assim, ficou proibida qualquer intervenção na estrutura do estádio sem a aprovação dos órgãos competentes.

A charmosa concha acústica. (Foto: Domínio Público / Arquivo do Estado de São Paulo)

Por esse motivo, a privatização do Pacaembu foi atrasada por algumas décadas, o que permitiu que o velho estádio revivesse tempos de glórias, que ficaram no passado após a inauguração do Morumbi, nos anos 1970, porém, quando os times da capital que ficaram sem casa, enquanto construíam seus novos estádios, foi no velho Pacaembu que encontraram um lugar para chamar de lar.

Se em outros tempos o Pacaembu foi a casa dos Jogos Pan-americanos de 1963 e até de Copa do Mundo, em 1950, os anos 2000 levaram de volta ao Paulo Machado de Carvalho o glamour das grandes decisões e o cotidiano do futebol.

Com os aluguéis cada vez mais caros cobrados pelo São Paulo, para que Palmeiras e Corinthians jogassem no Morumbi, os arquirrivais decidiram encontrar outra opção para mandar seus jogos. O Palmeiras voltou a jogar no Palestra Itália, 1840, na rua Turiassú, enquanto o Corinthians, que não comportava sua torcida no Parque São Jorge, optou pelo Pacaembu.

A identificação da torcida alvinegra com o estádio foi imediata, como um amor adormecido há anos, de outras vidas. Em pouco tempo, a Fiel chamava o Pacaembu de Saudosa Maloca, e foi numa Maloca abarrotada com um bando de loucos que a Libertadores, enfim, foi conquistada pelo Time do Povo e o Corinthians foi libertado de suas dores.

Quando o Palmeiras fechou o Parque Antártica para reformá-lo e fazer nascer o moderníssimo Allianz Parque, foi a vez do povo alviverde lotar as arquibancadas do velho Paulo Machado de Carvalho, para passar pelo calvário de sua segunda década perdida e da Série B de 2013.

Quantas noites frias e de chuva, quantas tardes ensolaradas, e com jogos duros contra adversários que desconsideravam a grandeza da instituição Palmeiras pelo time que encontravam vestindo verde, cada palmeirense passou naquele período em que a torcida foi o último pilar do Verdão. Com muito carinho, mesmo numa das piores fases do time, a torcida palmeirense apelidou o estádio de Porcoembu.

Comer um dogão prensado na Praça Charles Miller, beber as mais saborosas cervejas depois de atravessar os arcos dos portões principais, levando para casa uma vitória revigorante no bolso, ir para o jogo de metrô pela estação Clínicas, caminhar margeando o muro branco e silencioso do cemitério do Araçá, subir a longa ladeira de volta à estação carregando nos ombros mais uma derrota amarga, não assistir um gol por ficar em baixo do bandeirão ou correr 10 lances de arquibancadas do Tobogã, por completo desespero, por mais um gol perdido pelo atacante que ninguém explica como é profissional…

Tudo isso tem cheiro, gosto, textura, som e cor de Pacaembu. Isso tudo e muito mais com experiências particulares de cada pessoa que já frequentou o Estádio Municipal é Pacaembu.

Todas essas experiências são acessíveis para quem, um dia, viu seu time jogar no velho Pacaembu, que já recebeu até FlaFlu, que já foi casa de São Paulo e Santos, quando o Morumbi e a Vila Belmiro não estavam disponíveis.

Depois das inaugurações da Arena Itaquera e do Allianz Parque, mesmo abrigando o Museu do Futebol desde 2008, e, de vez em quando, jogos do Santos, a privatização voltou a ser pauta do governo que alegava altos gastos para manutenção do estádio.

Claro que é preciso sopesar os gastos públicos com equipamentos que não são de primeira necessidade, como um estádio num país onde faltam hospitais e escolas, mas a concessão à iniciativa privada de um patrimônio que hoje atende todas as faixas da sociedade, já que é o único estádio paulistano a respeitar a lei da gratuidade para menores de 12 anos, é um erro se não forem observadas regras para a continuidade do acesso às classes populares.

Não houve acordo com o poder público e o Pacaembu foi cedido à um consórcio privado pelos próximos 35 anos em que dificilmente, por diversos motivos, os mais jovens poderão viver novos momentos e criar memórias.

A casa do futebol paulista, palco tradicional do futebol brasileiro, lar do divertimento paulistano, apelidado por corintianos e palmeirenses carinhosamente de Saudosa Maloca e Porcoembu, porém, será sempre um cantinho muito especial da cidade.

Em 80 anos de história, o estádio foi de praça esportiva mais moderna da América Latina a obsoleto, foi privatizado e mesmo assim não abandonou a cidade no momento mais difícil do século.

No país em que faltam leitos de hospital e sobram nababescos estádios numa proporção de 7 para 1, o Pacaembu reafirma seu compromisso com o público e, hoje, abriga um hospital de campanha que serve 200 leitos a São Paulo na luta contra a Covid-19.

Um octogenário no grupo de risco, escanteado por ser considerado velho demais e cedido à iniciativa privada por ser caro para manter, se arrisca para devolver ao povo paulistano todo o carinho das últimas oito décadas e mostrar que, mesmo com as arquibancadas vazias, no Paulo Machado de Carvalho, ninguém nunca estará sozinho, pois uma importante partida precisa ser vencida no Estádio Municipal, no meu, no seu, no nosso Pacaembu.

(Foto: Eduardo Anizelli / Folhapress)

Na primeira temporada do Arquibancada Móvel, podcast do Universidade do Esporte sobre estádios, contamos a história do Pacaembu, o Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, de todos os paulistas, do Edson Sorriso e de todos que amam o futebol. Você pode conferir o episódio nos principais agregadores de podcast:

(Arte: MARCUS ARBOÉS)

Spotify: https://open.spotify.com/show/443VeyCdbLKB74CDv72hUV

Deezer: https://www.deezer.com/show/453592

RadioPublic: https://radiopublic.com/universidade-do-esporte-601kob

Breaker: https://www.breaker.audio/universidade-do-esporte

Google Podcast: https://www.google.com/podcasts…

Anchor: https://anchor.fm/universidade-do-esporte

CastBox: https://castbox.fm/chann…/Universidade-Do-Esporte-id2272116…

(Foto: autor desconhecido)

Continue Reading
Deixe seu comentrio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 Elo Jornal. Todos os direitos reservados. contato@elojornal.com.br

X