Connect with us

Economia

Loja colaborativa oferece menos custos e mais oportunidades de negócio em meio à pandemia

Publicado

Foto: Adriana Severo

Artesãos que participam da EcoFeira, feira de produtos sustentáveis realizada quinzenalmente no Largo da Cohabinal, em Parnamirim, decidiram realizar um sonho antigo e abriram uma loja física compartilhada, a fim de chegar de forma mais rápida aos clientes.

A primeira loja colaborativa sustentável de Parnamirim, a “Flor di Caju”, abriu as portas para o público no último dia 28 de junho, na Galeria Casa Di Cartaxo, no centro da cidade. O empreendimento reúne produtos de cerca de 30 artesãos que agora têm um lugar fixo para expor seus produtos.

“Essa loja tem uma única gestora que vai ficar à frente de toda administração. Para fazer parte é feito um contrato trimestral para cada artesão e os produtos vão sendo repostos de acordo com as vendas. São produtos realmente artesanais. Não entra nada na loja que não seja feito à mão e com muito amor”, explicou a administradora Tatiana Fagundes.

Estão expostos na loja diversos produtos como peças de macramê, produtos naturais alimentícios, cosméticos, saboaria, entre outros. Euliene Xavier, da “Euli pedrarias e artesanato” destaca que a forma colaborativa “dá oportunidade a muita gente porque hoje colocar uma loja física sozinha não é fácil. Estou muito feliz em fazer parte dessa iniciativa”.

As bonecas de pano da professora aposentada e artesã Maria da Conceição de Oliveira, também têm um lugar garantido na “Flor di Caju”. 

Foto: Adriana Severo

“A ‘Artes da Ceiça’ estar participando dessa loja sustentável é um marco para minha vida, para minha pessoa e para o trabalho que eu desenvolvo. Acredito que Parnamirim precisava disso, é uma cidade que cresceu muito e nós, artesãos, precisávamos desse lugar para chegar até o público”, justificou.

A “Di caju cosméticos” que trabalha com cosméticos naturais, nasceu em Natal, mas hoje também está presente em Recife e agora em Parnamirim. Para Luciana Magalhães, uma das sócias, a união é a característica que se destaca no negócio, já que são marcas diferentes com o mesmo propósito. 

“A gente está muito feliz em poder contribuir com um pouquinho pra essa loja dar super certo”, revelou.

Foto: Adriana Severo

Vantagens da Economia Colaborativa 

As lojas colaborativas seguem os princípios da economia colaborativa. O conceito começou a surgir em 2008 e consiste no compartilhamento de um espaço físico para expor produtos e serviços, tanto de artesãos, quanto de microempreendedores individuais. A iniciativa representa uma nova visão de sustentabilidade, valorizando a divisão em vez do acúmulo. Para Marcelo Queiroz, presidente da Fecomércio- RN, esse tipo de negócio traz vantagens para os empreendedores, ainda mais na retomada da economia, com registros cada vez mais baixos de casos de Covid-19 no Rio Grande do Norte.

“Esse modelo de loja colaborativa, sobretudo no momento de recuperação dos enormes impactos da pandemia, são uma alternativa vantajosa para os empresários, especialmente aqueles que possuem pequenos negócios. É uma forma eficiente de compartilhar custos e trabalhar a marca de uma maneira mais estruturada com mais força, junto aos consumidores. Também é uma boa oportunidade de parceria e de networking entre os empresários que partilham o mesmo espaço”, afirmou.

A Analista Técnica do Sebrae-RN, Maiza Pessoa, chama a atenção para a questão da escolha da localização do empreendimento. Para ela, esse deve ser o primeiro ponto de atenção, pois é um dos fatores determinantes para a competitividade. 

“Essa é uma das partes mais importantes sobre como montar uma Loja Colaborativa. Você precisa que os expositores se interessem pelo seu negócio, então é fundamental que ele seja bem localizado. Isso significa estar situado em uma região com grande fluxo de pessoas diariamente.”

Além disso, outros fatores devem ser considerados como se o imóvel em questão atende as necessidades operacionais, quanto à capacidade de instalação, características da vizinhança – se é atendido por serviços de água, luz, esgoto, telefone, etc.

É importante também que a relação receitas operacional (estimada) versus despesas (aquisição, manutenção, etc.) do imóvel esteja compatível com os objetivos definidos pelo empreendedor.

“Decidir qual caminho tomar é uma mistura de coragem, recursos disponíveis e expectativa de retorno. A colaboração, em qualquer âmbito ou aspecto, é uma tendência para os tempos atuais. Empreender, trabalhar e consumir de forma individualista já não faz mais parte da rotina de muitas pessoas, pois elas perceberam que o compartilhamento, seja ele de espaço, custos ou informações, faz qualquer marca ir muito mais longe e alcançar resultados extraordinários e o sucesso, em um espaço de tempo muito menor”, destacou Maiza Pessoa.

Foto: Adriana Severo

Serviço:

Loja Colaborativa Sustentável Flor de Caju

Funcionamento: das 09h às 12h e 13h às 17h

Localização: Galeria Casa di Cartaxo

Rua Senador João Câmara, 37, Centro – Parnamirim

Continue Reading
Deixe seu comentrio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 Elo Jornal. Todos os direitos reservados. contato@elojornal.com.br

X