Connect with us

Cultura

A visita cruel do tempo, um livro sem data marcada

Laura Santos

Publicado

Foto: Laura Santos

O livro “A visita cruel do tempo” foi escrito por Jennifer Egan e vencedor do Pulitzer de Ficção 2011. É uma história profunda sobre relações humanas, uma narrativa não cronológica, que utiliza da música e tecnologia como cenários para nos situar através das décadas. Décadas que nos apresentam os mesmos personagens iniciais e novos personagens, em diversos momentos de suas vidas, desde a adolescência até  à velhice. Tudo para nos mostrar que o tempo não espera por ninguém e o que somos é o que nos tornamos a cada novo acontecimento de nossas vidas.

“Alegam os poetas que, ao adentrar alguma casa ou algum jardim onde moramos quando jovens, reencontramos por um instante aquilo que já fomos. São peregrinações muito arriscadas, que produzem em igual medida sucessos e desilusões. Esses lugares fixos, contemporâneos de outros anos, é dentro de nós mesmos que mais convém encontrá-los.” Marcel Proust.

Foto: Laura Santos

É com esta citação, na folha que antecede o capítulo 1, que o livro nos é apresentado. E de fato ela nos diz muito sobre o que iremos encontrar nas páginas seguintes. Inicialmente conhecemos Sasha, uma mulher misteriosa que carrega um segredo, um problema na verdade: traços de cleptomania incontroláveis. Ela está contando ao seu analista como foi o seu encontro com um rapaz chamado Alex. Enquanto esperamos conhecer mais sobre essa personagem, o que carrega e quais aflições passou em sua vida, somos interrompidos por Bennie.

Bennie o chefe de Sasha, empresário bem sucedido de uma gravadora, separado de Stephanie. Sua ex mulher, cuja história logo descobriremos fazer parte de tantas outras, e a de seu irmão Jules, um jornalista anteriormente preso por assediar uma atriz famosa chamada Kitty. Esta última um dia encontrará Dolly, assessora de imprensa e mãe de Lulu, que mais velha trabalhará para um homem ansioso por lançar um cantor de sucesso no mercado. Mas antes de tudo isso, conheceremos Lou, padrinho profissional de Bennie. São idas e vindas, como uma metáfora para o emaranhado que é a própria vida. Para as ligações inimagináveis que fazemos ao longo dela e como um simples acontecimento insignificante pode ter um sentido oculto, um dia, em nossa própria existência. Coisas que provavelmente nunca serão descobertas. Uma brincadeira do destino, ou uma visita cruel. 

Foto: Laura Santos

Existe um capítulo especial, como uma apresentação em slides, um tipo de diário moderno escrito pela filha de uma das personagens acima, dizer agora quem é seria apenas estragar a curiosidade. Este diário faz interpretações sobre as pausas, os silêncios de algumas músicas de rock, para ser mais exata. E esse intervalo nos captura para além, nossos dias são repletos deles, quando tudo parece que vai terminar, ainda não é o fim. Recomeços. Até que o final definitivo chegue. É assim mesmo que a própria garota em questão nos revela sobre a sua família.

Muito mais do que uma boa escrita, temos em mãos uma leitura cheia de provocações. O próprio título já é em si bastante chamativo. É comum tratarmos o tempo de maneira pessimista, como se nos faltasse, ou corresse de nós mais rápido do que podemos alcançar. No entanto, além desse aspecto já comum, somos lembrados de que quando ele vem para nós, através de escolhas decisivas capazes de mudar nossos rumos, não é só sobre sofrimento. É um equilíbrio entre forças negativas e positivas, entre novos lugares e possibilidades de uma vida inédita.

A capa tem traços de rostos se sobrepondo, a obra é justamente sobre isso. Não há linearidade e nem uma única voz em cada capítulo. Há primeiras e terceiras pessoas, um slide no meio. Não é sobre grandes realizações, talvez sobre grandes sonhos. Nem sobre quem vai mudar o mundo. É sobre fragilidades, quedas e o caminho longo para o reencontro consigo. Ao final, parece que conhecemos bem cada um dos que nos foi apresentado, ao mesmo tempo em que não temos ideias do que o futuro os espera pela frente.

Foto: Laura Santos

Tempo e vida andam de mãos dadas em uma leitura capaz de nos prender por horas. Sasha e Bennie são centrais e também figurantes para o desenrolar de outros caminhos. Assim como cada um de nós o é. Não tem tanto a ver com ponto de vista, mas sim com o que nos torna individualmente e coletivamente humanos, seres viventes de um mesmo espaço tempo.

A Visita Cruel do Tempo pode ser encontrada aqui: https://amzn.to/3hoDOfJ

Continue Reading
Deixe seu comentrio

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Copyright © 2018 Elo Jornal. Todos os direitos reservados. contato@elojornal.com.br

X